Arquivo da categoria: alegria

Águeda está a perder cor

 

aguit agueda chapeus de chuva

Águeda tem um evento anual de animação chamado AguitÁgueda.

Durante cerca de 1 mês tem imensas actividades que animam diversos locais da cidade.

O ano passado este evento e a cidade de Águeda teve enorme divulgação mundial. Para além do cartaz de actividades os organizadores lembraram-se de decorar uma das ruas com chapéus de chuva coloridos. O efeito era magnifico. Não sendo uma ideia original, foi bem adaptada e teve um enorme retorno para a cidade de Águeda e para o AguitÁgueda. Se fizerem uma pesquisa por Águeda no Google muita das imagens que aparecem são deste evento.

Desde essa altura fiquei a pensar qual seria o passo seguinte da organização do AguitÁgueda. Um pouco à semelhança das bandas que lançam um álbum de estreia espectacular e que têm o difícil tarefa de criar um 2º álbum à altura do primeiro.

Foi aqui que Águeda perdeu a sua oportunidade. Este ano para meus espanto e desalento a organização do AguitÁgueda decidiu-se a fazer mais do mesmo. Voltou a apostar nos guarda chuvas, mas desta vez em maior quantidade e em mais localizações.

Águeda perdeu a oportunidade de se afirmar como um local em que as pessoas podem visitar e ser surpreendidas por instalações criativas. Ficou refém do guarda-chuva, objecto que tanto quanto sei não tem qualquer ligação a Águeda.

Neste capitulo, Águeda, e outras cidades nacionais poderiam perceber o conceito de criação de actividades criativas desenvolvido pelo município de Santa Maria da Feira e que tanta projecção lhes têm trazido.

Águeda ainda está a tempo de dar a volta a esta actividade, percebendo qual o real motivo do sucesso da 1ª edição e replicando este conceito e não a actividade que tanta exposição lhes trouxe.

[Editado] Após o lançamento deste post gerou-se uma salutar discussão que teve o mérito de trazer à “luz do dia” que o sucesso do evento não é posto em causa. Todos aferimos rapidamente que o sucesso é total.

Potenciar o sucesso!

Também é verdade, que mal seria se não fosse um sucesso. É um mês de imensas actividades e concertos “à borla”. Algo estaria muito mal se não fosse um sucesso. Claro que este sucesso está a ser, e muito bem, potenciado pela bom trabalho de comunicação que está a ser feito. Mas isto é o que deve ser feito no digital, aproveitar o que corre muito bem para promover e correr ainda melhor.

A Falta de foco de Águeda.

Uma das questões pertinentes que foi levantada, foi a de falta de foco de Águeda. Se vemos municípios em que a aposta de imagem de marca são os kiwis, o bacalhau, os mirtilos, etc… e apostam fortemente e continuamente nessa imagem de marca, Águeda quer ser a capital do leitão, a capital das 2 rodas e pelo que vejo também quer ser a “capital do guarda-chuva”.

Claro que podemos  dizer que existem outros municípios que também usam esta estratégia “multi-foco”. Veja-se o exemplo de Aveiro que aposta nos ovos moles, moliceiros, caldeiradas de enguias e ainda deve ter mais alguns focos 🙂 Mas como se diz popularmente: “Com o mal dos outros posso eu bem”.[/Editado]

Os significados do ONZE

[singlepic id=611 w=450 h= float=]
ONZE
O onze (11) é o número natural que segue o dez e precede o doze.
O 11 é o quinto número primo, depois do 7 e antes do 13. É o quarto número primo de Sophie Germain.
O 11 também é o número de dois artistas famosos: Asdrubal Tho e Carmen Lin.
O 11 é a primeira capicua, sendo a maioria de seus múltiplos também capicuas ou então palíndromos de outros múltiplos de 11.

CURIOSIDADES DO NÚMERO ONZE
Onze são os jogadores de futebol.
O Onze é o Número atômico do Sódio.
Segundo teorias conspiratórias, o número 11 é
Continuar a ler

Transformar lixo em arte valiosa

[singlepic id=570 w=320 h=240 float=]

Os senhores da Moody’s devem pensar que nos afectaram muito ao dizerem que somos lixo.

Tenho pena senhores economistas de renome, talvez por falta de tempo, vontade ou conhecimento, tenho a certeza que não viram o documentário “Lixo Extraordinário” do fotógrafo Vik Muniz. Este documentário mostra como transformar lixo sem valor em arte que vale milhões.

O irónico deste documentário é que são as pessoas com muito dinheiro e Continuar a ler