O poder das ferramentas WEB 2.0

Durante os últimos quatro anos, a tabela de vendas de singles na semana anterior ao Natal foi dominada pelos concorrentes do “The X Factor”, uma espécie de ídolos britânico. No entanto, esta tendência foi quebrada este ano quando fãs de Rage Against The Machine (RATM) começaram uma campanha no Facebook para fazer do single Killing in the Name, de 1992, o mais vendido. Foram bem-sucedidos.

O single de RATM vendeu perto de 500 mil cópias contra as 450 mil de Joe McElderry, concorrente do concurso.

Foi a primeira vez que RATM alcançaram o número 1 no Reino Unido e foram a primeira banda a fazê-lo com um single que só podia ser adquirido através de download.

Esta foi também a maior semana de vendas de singles online nas tabelas britânicas.

Para além da iniciativa ser um óptima demonstração do poder que os utilizadores das ferramentas web 2.0 têm se se organizarem, mostra também que uma boa música é intemporal.

Artigos semelhantes

3 comentários a “O poder das ferramentas WEB 2.0

  1. Iuren

    Muito interessante a análise =) Realmente, se foi feita por fãs, prova muito. Prova até uma outra possível mudança no processo de comunicação e de publicidade mundial, mas deixemos isso para outra discussão. Grande abraço, bom post.

    @differente

  2. João Bem Autor do artigo

    O movimento foi mesmo começado por fãs como forma de responder à tradicional conquista do primeiro lugar dos tops por artistas dos ídolos.
    Realmente a publicidade é cada vez mais global e o publico de todo o mundo pode influenciar as escolhas de um pais ao qual nem pertencem, como aconteceu neste caso em que os fãs dos RATM de todo o mundo se uniram para conseguir um resultado no Reino Unido.

    Parece que a internet, sendo bem utilizada, pode devolver algum poder ao povo.

  3. Pingback: Para que precisamos de uma nova rede social? | designer blog

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *