mau design

mau design embalagem Design não é sinónimo de bonito!

Embora cada vez mais as empresas façam passar a ideia de que produtos “com design” são produtos bonitos, essa teoria tem pouco de correcto, produtos com design são produtos em que todo o processo foi estudado de forma a que o produto final seja reflexo das preocupações funcionais, económicas, estéticas, etc….

Como as empresas estão a conseguir passar a ideia de que o Design é sinónimo do bonito, sem se preocuparem com a funcionalidade do produto vão aparecendo casos em que a falta de estudo de funcionalidade é gritante, chegando ao ponto de algum produtos terem de ser retirados do mercado.

Artigos semelhantes

8 comentários a “mau design

  1. Constança

    wow… eu vi a embalagem e pensei que era leite de morango (framboesa neste caso) até que o Público disse que era um creme hidratante! e assim me sinto mais útil como designer 😀

  2. João Bem Autor do artigo

    Pois Samira, é esse mesmo o grande problema parece tudo menos um produto de higiene. Felizmente já o retiraram do mercado!

  3. João Bem Autor do artigo

    É verdade Luanda somos todos enganados! Imagino uma criança a ter contacto com esta embalagem! Por isso é que design não é fazer só coisas bonitas.

  4. Miguel.M

    Pois…
    Há por aí muitos pseudo-profissionais do design, armados em artistas,
    esquecendo-se que design é artesanato e não arte.
    Design, venha quem vier dizer o contrário, é e sempre será:
    Forma e Função. Se for bonito, tanto melhor.
    O que não pode ser mesmo, é forma que confunda com produtos
    de outras áreas e, acima de tudo função que não funciona.
    O que significa erro de gestão e marketing.
    Por alguma razão há anos o óleo Fula gastou rios de dinheiro lançando uma variante numa garrafa opaca amarela, e teve de a retirar em menos de um mês, pois era igualzinha às garrafas de lixívia.
    Mas como as garrafas de lixívia já existiam, quem é que leva as orelhas de burro?

  5. João Bem Autor do artigo

    É mesmo isso Miguel. Forma e Função deviam ser regra.

    Não sabia desse caso do óleo Fula. Um belo exemplo.

  6. Pingback: Parece mas não é | Ephemera, by Lia Caldas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *