Odeio burocratas

moda design gravata fashion designer roupa
Odeio burocratas, pseudo doutores e engenheiros que apenas por usarem uma bela gravata pensam que são mais que os outros e que têm o Rei na barriga.
Sempre me perguntei, o que é que a gravata tem.
Um pedaço de pano pendurado no pescoço deixaria as pessoas mais estilosas?

Talvez por esse ódio de estimação é difícil verem-me com uma gravata.
Não gostaria que me tomassem por um desses pseudo doutores, nem gosto de sentir o pescoço apertado.

A única gravata que me vejo a usar é esta Andtie criação de Pral&Brok.

Artigos semelhantes

5 comentários a “Odeio burocratas

  1. Maria Fernanda

    Eu estou me formando engenheira e nem por isso uso uma gravata pendurada no pescoço. E não me acho melhor nem pior do que ninguém por isso. Mas concordo, infelizmente, contigo. Têm muitos que não tem nada na cabeça e acham mesmo que tem o rei na barriga e, te digo o mais, para isso não é preciso ser burocrata, “doutor” ou engenheiro, basta ser filinho de papai, pessoas à quem o dinheiro cai do céu.

  2. Juliana

    Humm..concordo com vc!
    não concordo com nada disso de usar gravatas ou algo no pescoço apertando e tals..
    se bem que dá um certo charme mas,não direto tem certos momentos que devemos usar não acha? tem gente que se chama só em estar de gravatas,paletós e se acham o tal não acha?tenho abuso de gente assim!

    Bjo00 ♥
    sempre exponha matérias para que possamos comentar ok?

    o meu twitter é http://twitter.com/julianapockets

    Bjokass!

  3. João Bem Autor do artigo

    Muito bem Maria, tenho de dizer que não tenho nada contra quem usa a gravata.
    Tenho sim contra quem pensa que por usar gravata pensa que é mais importante que os demais.
    Como dizes é gente sem nada na cabeça, filhinhos do papai…. 🙂

  4. João Bem Autor do artigo

    Obrigado Juliana,
    O blog é um pouco anárquico, não segue as regras de focalização num só assunto, mas como o blog é a minha imagem na internet 🙂

  5. Douglas

    A verdade é que somos ensinados e cobrados a sermos o que não somos ou não queremos ser.
    Uma pessoa é bacana ou arrogante, independente de usar ou não uma gravata, mas vejo como as pessoas são presas nessa prisão corporativa, onde arrogância e materialismo são sinônimos de maturidade e sucesso (muitas vezes). Conhecimento deve ser usado e compartilhado, mas muitos usam formação como status e esquecem que o mundo dá voltas. Fora o ritmo imposto por esse capitalismo selvagem (não sou comunista, antes que me rotulem) fabricam pessoas frustadas, neuróticas, como se lazer, descanso não fossem um direito e essenciais para a criatividade. Nós temos que ter a coragem de lutar contra os padrões e tradições que não nos servem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *